sábado, 2 de dezembro de 2017

Não me deixas amar-te

nasci com a vocação de curar
não as dores do corpo mas as que carrega a alma

sou sempre demasiado para ti
sou motivo de afastamento
não me deixas
a m a r - t e
e, por isso, vou

cair é como voar

continuar e esperar
que as peças perdidas se encontrem
que os corações abertos se unam
na procura, vou acalmar
lamber as feridas também é sarar

Inspiração: You Won't Let Me . Rachel Yamagata (2011)


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

A Espera do Amor que há de vir

Procuro um diamante
O segredo não revelado
O que espero está distante
E, ao mesmo tempo, aqui ao lado.

Somos almas errantes
Com passados errados
Nos acertos acertamos
As nossas vidas cruzadas.

Nos meus olhos vejo-te
Nas tuas mãos sinto que posso cair
Por ti, posso atirar-me de cabeça
Aqui espero.
Sei que hás-de-vir.

sábado, 14 de outubro de 2017

só um poema a devora

às vezes penso
não se define a tristeza:
não sabemos de onde vem
nem como se veste,
ou se caminha

às vezes penso que voa
pela leveza com que chega
e o meu ser domina

não tenho a certeza
se foste tu que a causaste
por isso não te culpes agora

às vezes penso
que a tristeza
vem de dentro de mim
e só um poema a devora.

Mesdemoiselles de l’Isle Adam - René Magritte



quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Não quero

Não quero o fácil
Não quero a sorte
Não quero a reza
Com medo da morte.

Não quero a ladainha
Que o mundo nos tece
Não compro o que querem vender
Com o dinheiro que empobrece.

Não quero o pacato
Não quero o meio-gás
Quero o fogo do sentimento gritado
Que nos mói a voz.

Queria-te a ti,
Não queria estarmos sós.


domingo, 24 de setembro de 2017

Areia

Caminhamos na areia
Este é o piso mais difícil
Do avesso estamos,
Contrariando os limites.

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Sigo a dançar

Não cheguei nem a metade
Estou viva
Sou da verdade.

Vivo sempre em ansiedade.
Da vida sei: contrariedade,
sou velha para a idade
mas busco a felicidade.

Já tinha pensado nisto antes
Mas pensar não é bom.
Vou dançar até esquecer.
Vou seguir o som.
Vou viver.

Não sei de quem é a voz ao fundo.
Não percebo o que me diz.

Se Deus escreve certo,
as linhas estão tortas;
Se for errado,
não finjo derrotas;
Sigo a gritar.
Sigo a dançar.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

Poeira de outras vidas

Nem tudo o que semeiam é bom de colher.

Não acredites na primeira verdade vendida.

O novo cresce da terra,
Mas por vezes morre
e o vento vem varrê-lo.

Não te aquietes;
Não te perturbes;
Segue o teu caminho de cabeça erguida.

O que importa mantém-se igual.
O que altera não salga nem é sal,
mas poeira de outras vidas.